Ficando no canto do continente africano, Eritrea é o centro de comando do Império Africano da Itália. Só de chegar no país, é possível entender por que esse é um pedacinho da Itália na África: toda a arquitetura do local lembra a Itália. Entenda os motivos.

Na década de 30, a Itália se via em um regime fascista. Eritrea, se tornou um local de emigração intensa, e isso era inclusive incentivado pelo governo italiano. Nesta mesma década, nos altos de 1939, mais da metade da população deste estado africano era italiana. E foi aí que as transformações começaram.

Com a chegada de diversos arquitetos, e muitos deles extremamente radicais, o país parecia mais um quadro branco para que eles traçassem as suas ideias mais futuristas de arquitetura.

Mussolini tem um grande papel nisso, vez que, incentivou os engenheiros e arquitetos italianos a transformarem Eritrea em um pedaço utópico da Itália. Uma zona urbana que florescia com cafés, cinemas, era infestada por bicicletas, e claramente – italianos.

A CORRIDA PELA ÁFRICA QUE CRIOU MINI POLOS EUROPEUS

Lembramos bem das aulas de história, quando falávamos sobre a “Corrida pela África”, onde os europeus cortaram o continente como diversas fatias de bolo. Mussolini herdou uma dessas colônias, e para ele, ela deveria se tornar “a Pequena Roma da África”.

Flertando com ambições imperiais, e querendo inclusive conquistar mais fatias da África, Benito Mussolini fez de Eritrea um dos focos em seu tempo de poder. Isso, num momento onde a Europa estava à beira de uma guerra mundial, foi um passo bem arriscado, mas que hoje deixara frutos nesta “Piccola Roma”.

Independente desde 1991, Eritrea hoje carrega em seu corpo construções únicas, extremamente à frente de seu tempo, e que ainda deixam os arquitetos ao redor do mundo completamente chocados.

Claro, a história da colonização, e tudo o que passou por aqui, foi algo extremamente brutal para o povo nativo. Estranhamente, hoje os habitantes de Eritrea são deveras gentis com a arquitetura, fazendo a conservação da mesma.

Os prédios de Asmara (região de onde Eritrea é a capital), estão tão bem cuidados que se tornaram uma verdadeira cápsula do tempo.

LA PICCOLA ROMA SE MANTÉM VIVA

Com pizzarias aos montes, avenidas especialmente construídas para bicicletas, prédios em forma de rádios sem fio, estações de serviço público com arquitetura futurista, e diversos cinemas art déco espalhados pelo país– esta é a Eritrea que vemos hoje.

“Nem todo mundo tem consciência da arquitetura em Asmara. Mas, o estilo de vida de todos aqui é completamente influenciado pelo caráter do espaço urbano. Os prédios têm seu papel. Os prédios influenciam o que você vê e como se move, assim como, o próprio caráter do país”, explica Metuasu, do escritório do Governo.

Os habitantes do país, comentam que em Eritrea, é possível admirar e apreciar o silêncio, assim como o contato com a natureza, que pode ser percebido nas diversas praças e jardins de estilo italiano. Para os mesmos, andar pelas ruas é algo prazeroso, diferente de quando vão para lugares como o Sudão ou a Etiópia, onde o barulho pode ser ensurdecedor.

A noite de Eritrea é um momento bem charmoso. Os cafés e as ruas ficam cheias e os rostos se encontram para tomar uma bebida.

FUTURAS OBRAS DO PATRIMÔNIO MUNDIAL DA UNESCO

Hoje, os líderes de governo de Eritrea estão buscando formas de tornar suas pérolas arquitetônicas em Patrimônios da Humanidade. Os esforços vêm do Programa de Reabilitação de Ativos Culturais.

Sem sombra de dúvidas, muita dor pode ser sentida, quando lembramos de como essas obras arquitetônicas vieram parar aqui nesse continente. Mas, como toda e qualquer parte de nossa história, ela deve ser preservada.

Para Metuasu, “Quando as pessoas estão conscientes da beleza dos edifícios, elas se apaixonam”, e o mesmo vale para quando elas se dão conta de como a Itália está presente aqui, em diversas formas.

Até mesmo na língua. Não existe uma correspondência para a palavra “bicicleta” na língua nativa da região. Aqui, eles falam “bicycletta”, como os italianos, e como nós brasileiros, em pronúncia.

DOIS LOCAIS QUE COMPARTILHAM RAÍZES SEMELHANTES

Assim como no Brasil, em Eritrea existe uma grande concentração de descendentes de italianos. Estes, que hoje procuram reconhecer a cidadania de seus ancestrais, para terem acesso a uma melhor qualidade de vida, e oportunidades únicas, que só um cidadão europeu poderia ter acesso.

Se a sua família vem de raízes italianas, sabia que tem direito de reconhecer a sua cidadania? Com a finalização do processo, você se torna um cidadão italiano como qualquer outro, tendo direito de viver na Itália, estudar em qualquer universidade da União Europeia e assim por diante.

Para ter certeza que o seu processo está caminhando o quão rápido possível, fale conosco aqui da Cidadania4u e entenda como a nossa assessoria funciona! Os nossos especialistas estão esperando o seu e-mail desde já no contato@cidadania4u.com.br.

Um grandíssimo abraço e até mais! 😀