Nesta semana do italiano separamos uma série de filmes para entender a imigração italiana de uma form divertida. Alguns filmes mostram como a imigração se deu. Além disso, esta é uma ótima maneira de olhar para a história dos seus ancestrais por meio da arte e, de quebra, se solidarizar com aquele ancestral que lhe dá direito à cidadania italiana

Como já estudamos nos livros de história e em nossos anos de escola, imigração é o processo de entrada de um indivíduo, uma pessoa, em determinado território. Seja permanente ou temporário, houve esse fluxo de pessoas. Aqui no Brasil, por exemplo, ao longo de toda nossa existência, ocorreu esse movimento de vários países do mundo, entre eles a Itália. 

Abaixo, nosssa curadoria de filmes sobre o tema:

Nuovomondo (2006) 

Primeiramente, o filme se passa na Sicília, no começo do século XX. Salvatore Mancuso (Vincenzo Amato) quer recomeçar a vida no Novo Mundo. Decidido, ele vende tudo o que tem para custear a viagem com os filhos e a velha mãe, para um lugar onde haja mais trabalho e pão para todos.

O destino escolhido é Nova York, nos Estados Unidos. Mas ao longo da viagem os problemas se acumulam, desde o embarque no navio até as dificuldades de imigração nos Estados Unidos.

O filme acompanha essa trajetória do embarque na Itália, a vida dentro do navio e o desembarque em outro país, com todas suas complicações; as comparações entre a realidade do novo mundo e as expectativas geradas por Salvatore e sua família. 

 

Legado Italiano (2021)

Documentário detalhado sobre a imigração italiana para o Brasil estreou em 2021 no site de streaming Netflix.

As gravações aconteceram em várias cidades do Sul do Brasil e em três regiões da Itália, dentre elas a região de Trento.

Além disso, o documentário passa por características como o vinho, a culinária, arquitetura, música, entre outras. 

Por fim, apesar do filme não explorar, os italianos não migraram apenas para a região Sul do Brasil. Muitos europeus desceram nos portos de São Paulo, Rio de Janeiro e algumas cidades do Nordeste.

 

Azambuja: A Imigração Italiana no Sul de Santa Catarina

O filme “Azambuja: A Imigração Italiana no Sul de Santa Catarina” narra a história dos imigrantes italianos que desembarcaram no Brasil em 1877.

O documentário tem 82 minutos de duração. Teve participação de colaboradores do Unibave, como a Diretora de Cultura, Edina Furlan, entre outros.

O filme iniciou sua fase de dublagem para o italiano pois foi exibido na inauguração do Museo Nazionale dell’Emigrazione (MEI) de Gênova, na Itália. 

Pra ficar na História (2018)

Desde jovem, Luiz Henrique Fitarelli passou a colecionar objetos relacionados à imigração italiana.

Neto de italianos e, apaixonado por história, aos poucos passou a também comprar casas abandonadas. Assim, com elas, construiu uma vila típica do final do século XIX, que se tornou um museu a céu aberto.

O documentário acompanha a viagem de Fitarelli à Itália para buscar suas origens e discute a preservação das memórias.

Caminhos de Pedra Tempo e Memória na Linha Palmeiro (2013)

A história de um dos primeiros grupos de italianos a chegar ao Rio Grande do Sul, sobretudo, na segunda metade do século 19, é contada no documentário Caminhos de Pedra – Tempo e Memória na Linha Palmeiro.

O filme se passa na antiga Linha Palmeiro, nas imediações de Bento Gonçalves, onde as famílias recomeçaram suas vidas no Brasil e construíram suas casas de pedra – hoje, pontos turísticos da região.

Embora mantenha vivas muitas de suas características culturais originais, o lugar passou por fortes modificações ao longo dos anos.

Ademais, as aparelhagens modernas aplicadas ao cultivo da uva, principal ocupação e fonte de renda dos habitantes do local, contrastam, sobretudo, com elementos seculares, como a roda d’água, as rodas de carroça, as ruínas de pedra, as casas abandonadas ou transformadas em estrebaria, além, é claro, das estradas de chão.

Finalmente, a coexistência entre o novo e o velho, o moderno e o tradicional, e os conflitos dela decorrentes, é a tônica do documentário. Ademais, o filme conta um fragmento importante da história do Brasil através de um olhar contemporâneo e universal.

O quatrilho (1995)

Rio Grande do Sul, 1910. Em uma comunidade rural composta por imigrantes italianos, dois casais muito amigos se unem para poder sobreviver e decidem morar na mesma casa.

Entretanto, o tempo faz com que a esposa (Patricia Pillar) de um (Alexandre Paternost) se interesse pelo marido (Bruno Campos) da outra (Glória Pires), sendo correspondida.

Após algum tempo, os dois amantes decidem fugir e recomeçar outra vida. Assim, deixando para trás seus parceiros, que viverão uma experiência dramática e constrangedora, mas nem por isto desprovida de romance.

Por fim, se você interessou por alguma indicação e quer saber se possui algum parentesco italiano, fala com a gente!

cidadania italiana