Migrações, população emigrando ao exterior e baixa natalidade – a receita perfeita para o despovoamento de uma região. E são esses os ingredientes que estão sendo misturados agora mesmo no sul da Itália, e podem gerar um grande problema! Saiba mais no texto abaixo.

O Sul da Itália, dotado de incríveis maravilhas, está enfrentando um sério problema de despovoamento. Registrando um alto índice de emigrações, que não rebatem as imigrações, temos cada vez menos pessoas vivendo nas cidades. Essa é uma informação que nos é passada pela Associação de Desenvolvimento da Indústria de Mezzogiorno (Svimez).

Nos últimos 15 anos, mais de 2 milhões de pessoas do sul migraram para o norte, sem contar com as que emigraram para o exterior por exemplo. A maioria dessas pessoas, para piorar, são jovens e possuem formação acadêmica. O que significa que não somente o sul da Itália está sendo despovoado, como que as pessoas que estão saindo são qualificadas para o mercado de trabalho.

O QUE SERÁ DO FUTURO? QUESTIONAM-SE OS ITALIANOS

Aqui no blog já falamos sobre questões dessa natureza e como o governo italiano está lidando com as mesmas. O ponto é que, quanto mais estudam-se os dados, mais urgente fica a situação. Somente em 2017 percebeu-se que foram embora do sul da Itália 132 mil pessoas, que ao serem chocados com a imigração, deixou um resultado negativo de 70 mil pessoas.

O relatório da Svimez também salientou que tem aumentado a diferença entre a retomada econômica da União Europeia e na Itália, criando uma ainda maior disparidade econômica entre o norte e o sul do país.

Em um momento em que a Itália precisa de toda sua potência econômica para lidar com sua dívida externa, possuir um sul em crise populacional cria um problema bem grande aos governantes.

UM ÊXODO QUE CAUSA TRAGÉDIA AOS SERVIÇOS PÚBLICOS

Pelo fato de que os emigrantes são qualificados profissionalmente e jovens, temos um impacto significativo na qualidade dos serviços prestados aos cidadãos. Para ilustrar, vemos que no setor de saúde, existe um déficit significativo dos leitos hospitalares funcionais.

Onde no norte da Itália existem 33,7 leitos para cada 10 mil habitantes, esse número vai para apenas 28,2 no sul do país. Com uma menor população qualificada, menos infra-estrutura social existe, e portanto, menos direitos fundamentais de cidadania são garantidos, como segurança, saúde e educação.

Agora, cabem aos governantes a criação de políticas públicas que consigam reorganizar e melhor gerir essa questão populacional.

O QUE VOCÊ ACHA DESSA PROBLEMÁTICA?

Será que agora veríamos uma situação semelhante às grandes navegações que nos colonizaram? Onde agora nós brasileiros, dotados de cidadania italiana, voltaríamos à Itália para repovoá-la? Seria uma bela reviravolta histórica, não? Acha que o governo, através de estímulos financeiros, é capaz de estimular a natalidade?

Comente aqui conosco que adoraremos saber seu ponto de vista!

E, como sempre, já sabe com quem contar se precisar de serviços ligados à cidadania italiana, certo? Com a Cidadania4u! Nossos atendentes estão esperando seu e-mail no contato@cidadania4u.com.br!

Fale conosco e faça um orçamento para os serviços consulares que precisar, ou mesmo para entender como nossa empresa pode te prestar assessoria na busca pelo reconhecimento de sua cidadania italiana 😀

Até breve!