Casas por um Euro podem ser uma grande oportunidade para quem deseja viver na Itália. Se você gosta de História, tem um olhar criativo e está disposto a lidar com obras e reformas talvez esta seja a sua chance

O programa conhecido na Itália como “Case a un Euro” repercutiu mundialmente devido aos baixos preços praticados por algumas prefeituras de pequenos vilarejos italianos que estão sofrendo com o êxodo de moradores. O programa possui prós e contras, como tudo na vida, mas pode ser o caminho ideal para brasileiros que desejam viver na Itália.

Para aproveitar a oportunidade de comprar uma casa por um Euro, não basta desejar morar na Itália, é necessário ter o perfil certo e atender aos requisitos legais. Isso significa que pessoas que não possuem cidadania italiana ou uma permissão prolongada para viver no país já podem riscar essa possibilidade da lista. 

Porém se você já possui cidadania europeia ou é descendente de italiano, fica mais fácil aproveitar o programa. Para cidadãos europeus, a boa notícia é que essa etapa já foi vencida. Todavia, para aqueles que são descendentes e ainda não iniciaram o processo de dupla cidadania, este é um passo fundamental, pois sem ele é impossível comprar alguma das casas a um Euro e viver na Itália.

Casas a um Euro 

Já faz algum tempo que pequenos vilarejos na Itália estão perdendo seus moradores. As pessoas em idade produtiva não encontram as oportunidades que desejam e acabam se mudando para grandes cidades. Com esse movimento, alguns lugares estão se tornando cidades fantasmas e a iniciativa de venda de casas a um Euro surge para repovoar esses vilarejos e evitar que as cidades pequenas desapareçam do mapa.

O programa já existe, pelo menos, desde 2014 e foi ganhando popularidade em toda a Europa. Países como França, Portugal, Suécia, entre outros, elaboraram projetos parecidos para também popular cidades que sofrem com o êxodo de moradores. 

Como é morar na Itália?

casa por um euro

Para viver na Itália nessas casas é preciso ter disposição e uma certa quantia em dinheiro, pois são casas antigas medievais que necessariamente precisarão de reforma. Muitas delas são patrimônios tombados que não podem ser descaracterizados. Os futuros moradores precisam ter isso em mente antes de decidir aplicar para o projeto. 

Se por um lado é necessário encarar obras e reformas, por outro lado é interessante pensar que você pode morar em uma casa histórica com mais de 500 anos de um tempo medieval. 

Para pessoas que gostam de arquitetura antiga, arte e história, essa pode ser uma  oportunidade única de lançar um olhar criativo e transformar um espaço de ruínas em um lar. 

Trata-se de uma experiência que vai além de viver na Itália, mas transformar a sua morada em um espaço de exploração histórica. 

LEIA TAMBÉM: Quanto custa viver na Itália?

Onde comprar casas na Itália por um Euro?

Recentemente, a prefeitura da cidade de Calatafimi-Segesta, na região da Sicília, anunciou a venda de casas históricas por um Euro. De acordo com Rafael Gianesini, CEO e co-fundador da Cidadania4u, esta é uma ótima oportunidade para quem planeja ter um empreendimento na Itália.

Segundo ele, há vantagens para brasileiros com cidadania italiana reconhecida: “Um dos aspectos pelos quais a Itália é conhecida é a burocracia. Para quem já é cidadão italiano, sai na frente em diversos aspectos, principalmente na negociação da compra”, explica Rafael.

Para adquirir a casa é preciso se comprometer com a reforma de acordo com os termos do edital. As obras têm o prazo de três anos para ficarem prontas. São 58 casas disponíveis e os interessados podem se inscrever através do site da prefeitura até o final de outubro de 2021.

Gianesini alerta que o ideal é realizar a compra em caso de investimento a médio e longo prazo. As casas históricas demandam alguns reparos, então não é a melhor opção para quem precisa se mudar imediatamente. 

“No entanto, o investimento pode ser promissor. Muitas pessoas compram esses imóveis como um empreendimento para que depois da reforma possa se tornar um hotel, pousada, restaurante. Esse investimento, aliado ao aumento da população esperado, pode ser promissor aos que já têm cidadania italiana e pretendem se mudar definitivamente para o país”, conclui Rafael.